Sunday, November 10, 2013


Uma breve introdução à história das histórias em quadrinhos no Brasil































Ivan Lima GOMES (mestrando em História Social/ UFRJ-RJ)
Resumo:

As histórias em quadrinhos nacionais, passados mais de cem anos desde os
primeiros trabalhos publicados, já têm muita coisa a dizer para a História. Por isso, o
objetivo deste artigo é estabelecer um quadro preliminar com alguns momentos relevantes
desta mídia no Brasil, tais como: a forte inserção junto a acontecimentos relevantes de cada
época; a relação com os quadrinhos estrangeiros; e os limites e as possibilidades da mídia
quadrinhizada no Brasil.
Proposta sem dúvida bastante extensa, e por isso opto pelo seguinte recorte: dos
trabalhos pioneiros de Angelo Agostini, ainda no século XIX, até o fim da publicação da
revista Pererê, de Ziraldo, em 1964. Esta publicação, a primeira revista em quadrinhos de
um único autor nacional, tem seu último número lançado em abril de 1964, momento
paradigmático também para o quadrinhos e artistas em geral.
Com isso, destaco alguns temas que serão abordados: a revista infanto-juvenil TicoTico; a presença maciça de super-heróis norte-americanos em um contexto de Segunda
Guerra Mundial e combate ao comunismo; e o preconceito moralista às HQ’s, julgadas
como destruidoras de lares e de mentes infantis.
Palavras-chaves:
Mídia Visual; Histórias em Quadrinhos; Indústria Cultural (Brasil)
Introdução
As histórias em quadrinhos são objetos de estudos de diversos campos do
conhecimento já há muito tempo. É possível observar as mais diversas tendências: alguns
preocupados em denunciar o conteúdo nocivo às crianças; outros priorizando as
particularidades da linguagem dos quadrinhos; além daqueles que buscam no material
analisado um “reflexo” das contradições sociais; entre outros. O fato é que não é mais
possível assumir o argumento recorrente em muitas abordagens sobre o tema, denunciando
a suposta carência de pesquisa sobre os quadrinhos.
Diante da tentativa de estabelecer uma história da trajetória dos quadrinhos no
Brasil, recortes são necessários, afinal tal proposta, mesmo pretendendo ser “breve”, como
indicado no título, exige cuidados e precauções – os quais assumimos aqui. A opção pelo
estudo das HQ até 1964 justifica-se pela avaliação que fazemos deste ano também como
1paradigmático para a cultura brasileira. Com a culminação do golpe civil-militar neste ano,
é possível observar outra dinâmica nos quadrinhos brasileiros; afirmativa semelhante –
ainda que sob outros temas – podemos sugerir para os quadrinhos produzidos sobretudo
após o processo de redemocratização do Brasil.
A opção pelo estudo histórico das HQ’s brasileiras produzidas até 1964, portanto,
procura destacar a relevância deste momento para a indústria cultural do país. É neste
momento que encontramos a consolidação do mercado editorial e seus desdobramentos e
dilemas.
Quadrinhos no Brasil, de Agostini a Pererê
O marco inicial para iniciarmos um estudo sobre a produção brasileira de
quadrinhos vem dos desenhos do ítalo-brasileiro Angelo Agostini. O primeiro capítulo de
As Aventuras de Nhô Quim ou Impressões de uma Viagem à Corte datam de 30/01/18691
, e
esta série é considerada por muitos estudiosos como a primeira história em quadrinhos do
Brasil (CARDOSO 2002; CIRNE, 1990; PATATI & BRAGA, 2006). O pioneirismo de
Agostini acentua-se se lembrarmos que a linguagem dos quadrinhos, tal como tornou-se
reconhecida até hoje, veio a se consolidar entre fins do século XIX e início do século XX.
Em Nhô Quim podemos citar, por exemplo, a ordenação seqüenciada dos desenhos, já
seguindo o padrão ocidental de leitura das histórias em quadrinhos; a quadrinização – a
inserção em quadros fechados – de alguns desenhos; e o uso do texto como uma espécie de
guia para a leitura.
Aquela que é considerada como a grande obra em quadrinhos de Agostini foi
publicada inicialmente em 1883, seguindo o estilo folhetinesco que caracterizaria As
Aventuras de Nhô Quim. As Aventuras de Zé Caipora apresenta algumas características
peculiares que a diferenciam de grande parte dos trabalhos com quadrinhos correntes até
então, como o refinado traço presente nos desenhos, de rica conotação realista e cuja
temática se baseava em um misto de aventura e drama – recurso este inovador até então.
Vale lembrar, em contraposição a este último aspectos, que os quadrinhos, ao redor do
1 Esta data, em homenagem ao pioneirismo de As Aventuras de Nhô-Quim, passou a ser considerada o Dia do
Quadrinho Nacional.
2mundo, já apresentavam então uma forte tendência ao humor e à sátira, assim como
também o direcionamento ao público infanto-juvenil.
Ainda que, de acordo com Athos Eichler Cardoso “a temática e os traços [de As
Aventuras de Nhô Quim], comparados à produção européia, pouco têm de original”
(CARDOSO, p. 23), o reconhecido pioneirismo de Angelo Agostini infelizmente é pouco
(re)conhecido dentro e fora do Brasil, conforme nos relata Gilberto Maringoli de Oliveira,
na apresentação de sua tese sobre a vida e a obra de Agostini:
No início daquele ano [1984], um grupo de intelectuais, membros da
Academia Brasileira de Letras, resolvera prestar uma homenagem a um dos
mais antigos editores brasileiros em atividade, Adolfo Aizen (1907-1991),
proprietário da Editora Brasil-América, do Rio de Janeiro. Aizen lançara,
em 14 de março de 1934, um jornal totalmente voltado para as histórias em
quadrinhos, o Suplemento Infantil (posteriormente Suplemento Juvenil) (...).
A homenagem planejada pelos acadêmicos se materializaria na
apresentação de um projeto de lei, ao Congresso Nacional, instituindo o dia
14 de março como o Dia das Histórias em Quadrinhos, em alusão ao
cinqüentenário do Suplemento Juvenil. A justificativa era de que a data
marcaria a primeira publicação de histórias em quadrinhos no Brasil.
(OLIVEIRA, página 10).
Este equívoco mostra-se presente mesmo na literatura especializada sobre
quadrinhos – ainda que de forma não tão explícita quanto na exposição acima. Zilma
Anselmo (1975), apesar de reconhecer que “a tradição de revistas em quadrinhos no Brasil
teve início no princípio do século com O Tico-Tico (...)” (p. 67), não se desvincula
integralmente da linha de pensamento expressa na citação anterior de Oliveira, uma vez
que, segundo ela: “Não existe no Brasil uma linha autenticamente nacional de
desenvolvimento de HQ, sendo a importação responsável pela introdução das HQ neste
país” (ANSELMO, p. 64).
A penetração em massa de material estrangeiro de quadrinhos no país – em especial
os comics norte-americanos – pode ser simbolizada através da publicação do Suplemento
Juvenil por Adolfo Aizen entre 1933 e 19342
. Esta foi a primeira de muitas empreitadas
2 Moya (1977) afirma que o Suplemento Juvenil teve início em 1933; já para Cirne (1990) , em 14 de março
de 1934, temos o Suplemento Infantil. Gonçalo Junior destaca também que em 27 de junho de 1934, o
Suplemento Infantil desvincula-se do jornal A Nação, passando a ser chamado Suplemento Juvenil desde
então.
3deste que é tido como um dos maiores personagens da história das HQ’s no Brasil
(JÚNIOR, 2004; MOYA, 1977). É por intermédio do Suplemento Juvenil que o público
brasileiro tem o primeiro contato com as histórias de personagens como Flash Gordon,
Mandrake, Jim das Selvas e outros (CIRNE, 1990, p. 23)
Os comics eram obtidos através de Arroxelas Galvão, representante da King
Features Syndicate (KFS)
3
no Brasil, a preços baixos e que acabavam por desestimular o
investimento em artistas nacionais (JÚNIOR, 2004). E havia também, outrossim, o desejo
pelo frescor da novidade que vinha do estrangeiro e pela moda: mesmo quando
eventualmente material brasileiro era publicado no Suplemento Juvenil, “(...) a par de ser
escasso, muitas vezes apenas reduplicava a forma e a ideologia dos comics” (CIRNE,
1990, p. 27); ou, como afirma Zilma Anselmo sobre os anos 1940, “(...) aparecem as
primeiras revistas de HQ com texto e desenhos de artistas nacionais, mas ainda é clara a
influência de modelos estrangeiros, em especial de americanos” (ANSELMO, p. 46).
Podemos destacar nomes como Carlo Thiré, Monteiro Filho e Antônio Euzébio Neto.
A limitação imposta pelo mercado e pela concorrência desleal, sem maiores
subsídios ao quadrinhistas brasileiros não deve nos levar a uma crítica unívoca à proposta
do Suplemento Juvenil, sob a acusação de expressões literais do imperialismo norteamericano. Preferimos antes reconhecer que obras como Tarzan, Príncipe das Trevas,
Mandrake, Dick Tracy e Flash Gordon, apenas para citar alguns títulos lançados (CIRNE,
1990, p. 23), são mundialmente reconhecidas como quadrinhos de elevado primor estético e
narrativo e que, então, ignorar tais realizações significa tão somente apartar-se de forma
preconceituosa de importantes criações da história das HQ mundiais.
Com a publicação do Suplemento Juvenil é possível observar também o início da
formação de um incipiente mercado editorial brasileiro, com o surgimento de jornalistas e
empresários que são atualmente nomes de força dentro da imprensa do Brasil. Talvez o
nome mais emblemático destes seja atualmente o do jornalista Roberto Marinho que em
muitos momentos é avaliado por Gonçalo Júnior e Álvaro de Moya como um editor arguto
3 Uma das maiores organizações do período, agregava desenhistas, fotógrafos, roteiristas e outros features.
Direcionavam as vendas, negociavam com os veículos de imprensa e, em certa medida, controlavam o
mercado de quadrinhos nos Estados Unidos. A sua hegemonia será abalada apenas a partir dos anos 1960,
com a força dos quadrinhos underground e do movimento de contracultura.
4e mesmo aproveitador (JÚNIOR, 2004; MOYA, 1977). Em resposta ao Suplemento Juvenil
de Aizen, Marinho publica O Globo Juvenil; quando aquele lança em 1939 O Mirim, este
contra-ataca com O Gibi (JÚNIOR, 2004, p. 65-69).
Conforme abordado anteriormente, a década de 1940 foi dominada pelos comics
norte-americanos4
, sobrando, assim, poucas fatias no mercado para o artista nacional –
aliada à pouca popularidade de carreiras como desenhista e roteirista de HQ’s. As
oportunidades para o artista brasileiro ainda assim existiam, mesmo que a conta-gotas.
Listamos anteriormente alguns brasileiros que publicam HQ’s no Suplemento Juvenil; n’O
Globo Juvenil temos a surpreendente presença de um ainda não tão famoso Nelson
Rodrigues como roteirista de adaptações de clássicos da literatura mundial para as
revistinhas, como O Fantasma de Canterville e O Mágico de Oz (JÚNIOR, 2004, p. 60-63).
Em paralelo a isso, nesse momento ganham força as críticas aos quadrinhos por
parte de diversos grupos sociais ao redor do mundo. Proibidas durante o fascismo de
Mussolini, combatidas pela URSS, pela Igreja Católica e criticada por psicólogos e
pedagogos, as histórias em quadrinhos sofriam duros golpes em sua já frágil reputação, e
isso repercutirá seriamente no mercado. No Brasil, o ataque às HQ’s pegou carona com os
grupos conservadores, mas também contava com outros objetivos: a disputa por espaço
dentro da imprensa brasileira, em especial por aquela fatia ocupada por Roberto Marinho.
Esta dinâmica de concorrência, que em muitos momentos beirou o sensacionalismo,
caracterizou a produção brasileira de quadrinhos (JÚNIOR, 2004).
A ironia é que um dos primeiros lançamentos de revista que apresentou histórias
em quadrinhos em seu conteúdo foi considerado como inocente e liberado para a leitura das
crianças. A revista O Tico-Tico manteve uma longeva duração, fornecendo quadrinhos,
reportagens e curiosidades sobre o mundo infanto-juvenil por mais de cinqüenta anos – ou
seja, inseriu-se durante boa parte de sua trajetória em um mercado já amplamente dominado
pelos comics norte-americanos desde os anos 1930 e 1940.
O Tico-Tico, pelo seu formato em revista e pela variedade de seu conteúdo,
caracteriza-se, de acordo com Anselmo, pela referência editorial marcadamente francesa.
4
 A referência à Segunda Guerra Mundial é importante aqui; revistas em quadrinhos com histórias de superheróis em luta contra os nazistas eram o entretenimento dos soldados das forças aliadas. Cf.
5Segundo a autora, a difusão de quadrinhos na França se deu por intermédio da revista
infantil, que contava com nomes como Dickens, Verne e com os desenhos de Gustavo Doré
(ANSELMO, 1975, p. 44-46). O personagem-símbolo d’O Tico-Tico, no entanto, era
Chiquinho, uma adaptação não-autorizada – e apenas revelada e proibida muito tempo
depois – de Buster Brown, do norte-americano Richard Outcault.
A revista contou com nomes importantes dentro da ilustração nacional, como o já
citado Angelo Agostini, além de Luiz Sá e J. Carlos. Este último se estabeleceu de forma
singular dentro das arte gráficas brasileiras, trabalhando em O Talento de Juquinha,
história em quadrinhos veiculada n’O Tico-Tico a partir de 1906 e em inúmeros veículos
impressos ao longo da primeira metade do século XX (CIRNE, 1990, p. 20-22)
A arte de J. Carlos torna latente as transformações vivenciadas cotidianamente pelos
grupos sociais presentes no Rio Janeiro, então Distrito Federal e capital do Brasil. Atento
observador da política, das modas dos salões das elites e das modinhas entoadas pelos
boêmios da Lapa, J. Carlos retratou o carioca diante de problemas cotidianos da cidade,
como o calor e o transporte público deficiente, e as mudanças nas vestimentas e nas
relações entre o público e o privado que daí decorrem, respectivamente (SEVCENKO,
1998). Zuenir Ventura faz uma pergunta cuja resposta já sugerimos através de Bakhtin no
início deste capítulo: “Até que ponto as melindrosas foram um tipo de mulher que estava
surgindo, ou estava surgindo um tipo de mulher em conseqüência das melindrosas de J.
Carlos?” (CARLOS, J. 1998)
A relação entre os quadrinhos e as referências culturais do Brasil são claras aqui.
Dos quadrinhos lançados pela revista à moda francesa O Tico-Tico, vamos à publicação em
massa de comics norte-americanos; do ideal de afrancesamento, característico da sociedade
do Rio de Janeiro de início do século passado – vide a importação de pardais objetivando
tornar a cidade mais parecida com Paris (SEVCENKO, 2004) –, observamos
gradativamente o alinhamento do país à cultura de massas norte-americana, com seus
gostos e padrões – o que por sua vez relaciona-se também a um contexto de boa-vizinhança
entre os dois países5
 (TOTA, 2000).
5 É sintomático que a EBAL, editora fundada por Aizen em 1945 após a venda de sua editora anterior, o
Grande Consórcio de Suplementos Nacionais, seja uma sigla para Editora Brasil América Limitada. É com ela
que Aizen se consolida de vez no mercado a publica seus quadrinhos de heróis, além das versões em
6Com a produção voltada basicamente para o público infantil, O Tico-Tico não
sofreu as críticas e reprimendas daqueles que enxergavam um caráter nocivo nos
quadrinhos. E estes não foram poucos: tivemos desde Carlos Lacerda e Samuel Wainer a
deputados de São Paulo e do Rio Grande do Sul, passando por escritoras como Dinah
Silveira de Queiroz e Cecília Meireles. Ironicamente, estas autoras serão convencidas de
que as HQ poderiam veicular “informações pertinentes”, “dados morais” e ajudar na
“formação cívica do cidadão”. Ela poderia ser “educativa”.
Adolfo Aizen passa a se dedicar, em paralelo com suas bem sucedidas revistas do
Superman, do Batman e do Zorro6
, às adaptações de obras literárias para os quadrinhos,
reunidas sob o título de Edições Maravilhosas. As Edições Maravilhosas se limitaram
durante um bom tempo a colocar no mercado material estrangeiro – alguns inclusive já
publicados anteriormente por Aizen em outras oportunidades –, passando em um segundo
momento à literatura nacional: Dinah Silveira de Queiroz e Cecília Meireles serão alguns
nomes que tiveram obras quadrinizadas pelas Edições Maravilhosas7
. A EBAL publica
também biografias de nomes importantes da história nacional e descobertas científicas sob
o formato das HQ (JÚNIOR, 2004, p. 257-291).
Estas histórias em quadrinhos, além de acusadas na época de desestimular a leituras
das obras literárias que originaram as adaptações, pecavam pelo caráter excessivamente
respeitoso e zeloso com que tratavam a literatura e a história oficiais, conforme afirma
Cirne: “Claro que um romance simplesmente ilustrado, com as imagens em seqüência, não
é um bom quadrinho. E a Edição Maravilhosa foi pródiga em romances meramente
ilustrados, nacionais ou estrangeiros" (1990, p. 32; negritos do autor). O autor também
destaca o que considera ser uma limitação das capacidades expressionais de uma HQ:
No final da maioria dos volumes vinha a seguinte nota editorial: ‘As
adaptações de romances ou obras clássicas para a EDIÇÃO
MARAVILHOSA são apenas um ‘aperiti4vo’ para o deleite do leitor. Se
você gostou, procure ler o livro em sua tradução e organize a sua biblioteca
quadrinhos de clássicos da literatura.
6
 Em meados dos anos 1950, cada uma destas três vendia em média mais de 150 mil exemplares por edição; a
EBAL lançava mensalmente mais de 30 revistas diferentes (JÚNIOR, 2004, p. 284-291).
7 O que pode nos ajudar a entender a mudança de opinião das respectivas autoras sobre os quadrinhos
levantada no parágrafo anterior...
7– que uma boa biblioteca é um sinal de cultura e bom gosto’. Apesar de
bem intencionado, é um aviso – em sua formulação – que compromete a
possível força expressional dos quadrinhos (1990, p. 32; negritos do autor).
Sem querer entrar no mérito do juízo estético que possamos tecer acerca destas
publicações, devemos perceber como As Edições Maravilhosas serviram muito bem a
Aizen – e a Roberto Marinho, que publica logo em seguida quadrinhos nesta linha. Mesmo
que tenham se tornado um sucesso de vendas serviram para uma construir uma aura de
bondade e de riqueza moral e pedagógica para as histórias em quadrinhos, alvo de
crescentes críticas em todo o mundo (BARBOSA, Alexandre, 2006).
Ao mesmo tempo, ao produzir e intensificar a publicação de tais séries de
quadrinhos, seja através das Edições Maravilhosas ou de outras seguindo este modelo
celebrador do passado e da cultura oficiais do Brasil, como a Epopéia e a História do
Brasil, Aizen solidificava a sua já constante presença e influência dentro do aparato oficial
de poder, aliando-se à atmosfera de euforia presente no desenvolvimentismo do presidente
Juscelino Kubitschek (BARBOSA, Alexandre, 2006, p. 155-166).
A tentativa de tornar latente um teor virtuoso potencialmente presente em qualquer
revistinha em quadrinhos era também uma forma de se diferenciar e, em decorrência disso,
de solapar a concorrência oriunda basicamente de editoras paulistanas de pequeno porte que
se dedicavam aos quadrinhos de terror. Apesar de contar com uma organização não
suficientemente profissionalizada e estabelecida, a Editora La Selva, fundada no início da
década de 1950, conseguiu trabalhar bem com as histórias de terror “(...) que estavam
reinventando o mercado de gibis nos EUA” (PATATI & BRAGA, 2006, p. 191). De
acordo com Moya (1977):
“O aparecimento das revistas de terror obedece a uma escala crescente do
próprio gênero. Revista ‘completa’ mesmo, só em 1951, mas histórias
avulsas, muito antes desta data já eram publicadas (...) Com o término da
guerra, os super-heróis um tanto desgastados com o uso e o abuso de seus
poderes para vencer o ‘inimigo comum’ tinham caído no desprestígio da
constante repetição” (P. 227-229).
8O contexto desta época tratou de suprimir muitas das publicações de terror norteamericanas. Os Estados Unidos viviam então sob a égide do macarthismo, onde a
modernização dos costumes era avaliada como deturpadora dos valores morais, da religião
e da propriedade burguesa, tornando-se assim lócus privilegiado para a infiltração de
ideologias de esquerda e do comunismo (JÚNIOR, p. 236). Em 1954 institui-se a censura
aos comics norte-americanos através do Comics Code Authority. De acordo com Gonçalo
Júnior:
“Seria ingenuidade achar que a Comics Code Authority teve como objetivo
apenas satisfazer aqueles que culpavam os comics pelo aumento da
criminalidade. O tempo mostrou que o código de ética funcionou também
como um meio eficaz para as grandes editoras se livrarem da concorrência
dos gibis policiais e de terror”. (JÚNIOR, p. 244).
Curiosamente, muitos autores nacionais saudaram positivamente a censura norteamericana sobre os quadrinhos, por acreditarem que esta medida obrigaria os editores
nacionais a ceder maiores espaços no mercado para a HQ nacional. O que ocorreria de fato,
ainda que de forma transfigurada: findado o acervo norte-americano de gibis de terror por
causa da censura, as editoras paulistas passaram a publicar um maior número de histórias
desenhadas no Brasil, mas solicitavam que os desenhistas adotassem pseudônimos em
inglês. Gedeone Malagola, por exemplo, era publicado sob a alcunha de Rick Starkey (p.
253-257).
A luta pela veiculação de material brasileiro de quadrinhos contém alguns marcos
que consideramos importante citar, como a criação de grupos organizados que discutiam a
inserção do Brasil e dos desenhistas brasileiros nos quadrinhos, como a Associação
Brasileira de Desenho (ABD), criada na segunda metade da década de 1940, e a Associação
de Desenhistas de São Paulo, fundada em 1952. Em 18 de junho de 1951 acontece a
Primeira Exposição Internacional das Histórias em Quadrinhos, preocupada em tratar as
histórias em quadrinhos como uma fonte legítima de apreciação artística, através de
exposições, palestras, intervenções na imprensa e da presença de desenhistas internacionais
(MOYA, 1977, p. 231-234).
9É durante os anos 1950 e 1960 que se consolidam alguns dos principais nomes
relativos às artes gráficas e às histórias em quadrinhos brasileiros. Em trabalho sobre o
Amigo da Onça, de Péricles Maranhão, Marcos Antonio da Silva debate como a questão do
poder se fez permanente nas histórias do Amigo da Onça, representada através do
tratamento depreciativo direcionado ao outro como uma manifestação de astúcia de seu
protagonista (SILVA, 1989).
O caso de Péricles e de seu Amigo da Onça não pode ser caracterizado como
histórias em quadrinhos – ainda que seu autor tenha utilizado esta linguagem em algumas
poucas histórias de seu personagem – mas merece relevância neste estudo pelo seu impacto
na cultura popular do país. O título de sua história mais famosa se confunde com o famoso
dito popular8
e podemos dizer que serviu de referência para trabalhos de artistas como
Angeli e Laerte, cuja sensibilidade às temáticas relativas ao cotidiano das grandes cidades
nos remetem inevitavelmente ao Amigo da Onça.
Outros dois nomes que devemos lembrar são os de Carlos Estevão e o de Millôr
Fernandes. Este último chegou mesmo a trabalhar com Péricles na seção “Pif–Paf”, dentro
da revista O Cruzeiro, marcada pelo peculiar tratamento gráfico e contendo procedimentos
curiosos, como “(...) a publicação de suas páginas de cabeça para baixo, com a
advertência de que o restante da revista é que estava na posição invertida” (SILVA, 1989,
p. 139).
Outra parceria famosa, agora entre Millôr e Estevão, é a série Ignorabus, o
Contador de Histórias. Tanto nesta série quanto na seção “Pif–Paf” Millôr assinava as tiras
com o nome Vão Gogo (CIRNE, 1990. p. 29). Este trabalho, definido por Cirne (1990)
como “(...) um verdadeiro delírio semântico– narrativo no terreno da mais pura
metalinguagem (...)” (p. 29), destacou-se pelas alusões freqüentes às linguagem visuais – a
começar pelo nome Vão Gogo, apropriação paródica do nome do pintor holandês Van
Gogh.
8 Fenômeno este que é recorrente dentro do quadro artístico-cultural do Brasil. Podemos citar o exemplo de
canções de Chico Buarque como Com Açúcar, Com Afeto e Olhos nos Olhos, que “(...) sedimentou-se de tal
modo no sentimento coletivo que nem sabemos mais se existia antes da canção de 1976 (Olhos nos Olhos)”.
Para maiores informações, cf. WISNIK; WISNIK. O artista e o tempo. In: CHEDIAK, Almir (org.).
Songbook Chico Buarque Vol. 2. 3ª edição. Rio de Janeiro: Lumiar, 1999.
10Mais uma vez encontramos o debate em torno da modernidade nas artes que, em
linhas gerais, pautou as ações de artistas e intelectuais da época. Carlos Estevão também
manifestou esta preocupação. Seu trabalho mais conhecido, Dr. Macarra, foi lançado como
revista própria em abril de 1962 e em suas páginas expressava a procura por traços que
privilegiavam os jogos de sombra, assumindo uma perspectiva próxima a expressionista.
Ainda que este tratamento estético tenha perdido força na revista, que publicava suas
histórias em cores – Estevão, mesmo trabalhando dentro da moderna revista O Cruzeiro,
sempre optou por publicar seus desenhos em preto e branco – o virtuosismo de seu traço
esteve sempre presente.
Em 1960, temos a publicação de Pererê. Pererê foi uma revista em quadrinhos de
periodicidade mensal publicada pela Editora Gráfica O Cruzeiro, durante o período de
outubro de 1960 a abril de 1964, com autoria de Ziraldo Alves Pinto. Suas histórias
contavam com temas relacionados ao folclore e ao cotidiano do país, estabelecendo
referências explícitas e aproximações com acontecimentos importantes, tais como a
Revolução Cubana, a corrida pela conquista do espaço motivada pela Guerra Fria e a Copa
do Mundo de 1962. Além disso, a defesa de um mundo rural em oposição à instabilidade do
mundo moderno e urbano e a valorização da infância como etapa libertadora do homem são
outras características relevantes que nos levam a perceber a revista junto aos grandes
debates do seu tempo.
Os quadrinhos durante os anos 1950 e 1960 consolidam-se enquanto produto
cultural lucrativo9
, mas continuavam envolvidos em pelejas e perseguições ideológicas.
Observamos o engajamento em torno da defesa do quadrinho nacional e de sua moralização
como uma resposta às duas espécies de publicações que muitos roteiristas e quadrinhistas
consideravam perigosas: as publicações estrangeiras que minavam a concorrência com seu
baixo custo; e as HQ de terror e violência que, se por um lado chamavam a atenção de uma
fatia significativa do mercado, por outro alimentavam a ira de grupos conservadores que
denunciavam os quadrinhos como literatura subversiva e danosa à sociedade.
9 Em 1960, foram vendidos em torno de 150 títulos diferentes, distribuídos por editoras como Ebal, RGE, O
Cruzeiro, Abril e La Selva, com 15 milhões de HQ’s vendidas por mês – 180 milhões por ano (JÚNIOR,
Gonçalo. P. 324).
11Com isso, intensificam-se as reuniões de grupos com nomes relacionados aos
quadrinhos discutindo a viabilidade da construção, para o Congresso, de uma proposta em
defesa do quadrinho produzido no Brasil. Jânio Quadros, que assume em 1960, mostra-se
sensível a estas reivindicações e se dispõe a ouvir as questões levantadas por eles – o que
vai de encontro o moralismo ufanista típico de Quadros (SKIDMORE, 1982). Chegam a
participar de algumas reuniões Ziraldo, Fortuna, José Geraldo – correligionário de Brizola
no Rio de Janeiro – e Mário Pedrosa (JÚNIOR, 2004, p. 331-339).
Dada a fracassada estratégia de renúncia tramada por Jânio Quadros em seu breve
mandato de pouco mais de sete meses, poucos avanços institucionais foram tomados em
torno destas discussões. As grandes editoras cariocas, além da Abril, estabeleceram
coletivamente um código de ética regulando a produção de HQ, como uma forma de
autocensura que indicava ao leitor quais revistas seriam apropriadas para leitura e quais
veiculariam conteúdo impróprio – ou seja, aquelas que não apresentavam o selo do código
de ética. O selo só passou a entrar em circulação em novembro de 1961 mas já mostrou-se
esvaziado enquanto uso sistemático desde sua veiculação inicial. A EBAL, importante
editora de quadrinhos, pouco utilizou-a por exemplo; em todo caso, funcionou como uma
distinção simbólica que procurava combater o quadrinho de terror (JÚNIOR, 2004, p. 346-
348).
Outras duas iniciativas no mercado editorial de quadrinhos merecem atenção. A
primeira delas foi a inauguração, em julho de 1962, da CETPA, Cooperativa Editora de
Trabalhos de Porto Alegre. Planejada desde 1961 por José Geraldo, contou com apoio
direto de Leonel Brizola, político que na época era identificado por suas inclinações
nacionalistas. A CETPA pretendeu implantar no Brasil um modelo de distribuição de HQ’s
e outros formatos a ela ligados na época – como álbuns de figurinhas e revistas infantis –
para todo o Brasil, nos moldes dos grandes syndicates norte-americanos.
As publicações da CETPA, marcadas pelo regionalismo gaúcho e contendo histórias
com conteúdos excessivamente didáticos, ao mesmo tempo em que mantinham certas
estruturas padrões dos comics norte-americanos, tais como a presença da dicotomia
mocinho/vilão, os finais com lições de moral, entre outros (JÚNIOR, 2004, p. 355), tiveram
12dificuldade para se difundir pelo Brasil. Com o golpe de 1964, a proposta da CETPA é
esvaziada e, afundada em dívidas, encerra suas atividades no fim do mesmo ano.
A segunda iniciativa veio em 1963, quando o presidente João Goulart levantou
polêmico projeto de lei estipulando aumento anual das publicações de HQ’s e tirinhas de
jornal de autores brasileiros. As grandes editoras brasileiras não foram censuradas, mas se
sentiram lesadas por terem sido excluídas deste debate e entraram com ação judicial contra
esta lei. Com o golpe de 1964, a lei não resistiu às mudanças políticas e nunca foi aplicada
como fora prevista (JÚNIOR, 2004, p. 363-371).
Conclusão
Conforme buscamos deixar claro até claro, não pretendemos esgotar as discussões
sobre os quadrinhos no Brasil e nem mesmo estabelecer uma longa referência de tipo
factual sobre o tema – que acreditamos sim que também tem a sua importância. Tais
propostas não se encaixam nos limites e nas possibilidades deste artigo.
Devemos destacar algumas constatações. Em primeiro lugar, as possibilidades do
uso de histórias em quadrinhos como fontes privilegiadas para a História. Seu caráter
polissêmico é um desafio para qualquer estudioso: compreende-la junto aos acontecimentos
de seu tempo, mas também inserindo-a nos limites de sua linguagem e no debate com
outras HQ, por exemplo, podem viabilizar a formulação de novas hipóteses sobre variados
aspectos da cultura brasileira. Mas exige também atenção redobrada daqueles que assumem
tal iniciativa. Em segundo lugar, podemos concluir, consequentemente, que este é um
campo de reflexões ainda aberto e que alguns temas aqui discutidos merecem estudos mais
específicos10
.
Finalmente, é importante ressaltar que o estudo sobre os quadrinhos brasileiros que
acabamos de apresentar não deve ser avaliada sob um prisma evolutivo, como uma
progressiva “tomada de consciência” por parte dos artistas, interrompida com a irrupção do
golpe de 1964. A descontinuidade de trajetórias é típica de todo processo histórico: em
nosso caso, é possível encontrar posicionamentos políticos explícitos desde Agostini,
enquanto nos anos 1950 temos, por outro lado, quadrinhos de cunho educacional e que
10 A iniciativa de tentar instituir uma lei de proteção à produção nacional de quadrinhos diante do material
estrangeiro é um exemplo de tema pouco debatido na bibliografia relativa às HQ no Brasil.
13destacavam um olhar tradicional sobre a história oficial do país. Por outro lado, defendo
que o olhar crítico sobre a sociedade se manifesta artisticamente de diversas formas, seja
através de uma nova abordagem no traço ou no enquadramento que problematiza
perspectivas corriqueiras, seja por meio de um olhar aguçado sobre o cotidiano, por
exemplo. Neste sentido, é possível afirmar que os quadrinhos brasileiros, ao longo dos
anos, na maioria das vezes mostraram-se atentos às vicissitudes de seu tempo.
Bibliografia:
ANSELMO, Zilma Augusta. Histórias em Quadrinhos. Petrópolis: Vozes, 1975.
BAKHTIN, Mikhail (V. N. Volochínov) Marxismo e Filosofia da Linguagem. 7ª edição.
São Paulo: HUCITEC, 1995.
BARBOSA, Alexandre Valença Alves. Histórias em Quadrinhos sobre a História do
Brasil em 1950: a narrativa dos artistas da EBAL e de outras editoras. São Paulo, 2006.
Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade
de São Paulo, São Paulo, 2006.
CARDOSO, Athos Eichler. As Aventuras de Nhô-Quim & Caipora: os primeiros
quadrinhos brasileiros 1869-1883/ Angelo Agostini. Brasília/DF: Senado Federal,
Conselho Editorial, 2002.
CARLOS, J. O Rio de J. Carlos/ organização Cássio Loredano; texto Zuenir Ventura. Rio
de Janeiro: Lacerda, 1998.
CIRNE, Moacy. História e Crítica dos Quadrinhos Brasileiros. Rio de Janeiro, RJ: Ed.
Europa & FUNARTE, 1990.
EISNER, Will. Quadrinhos e arte seqüencial. 3ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
JÚNIOR, Gonçalo. A Guerra dos Gibis: formação do mercado editorial brasileiro e a
censura nos quadrinhos. 1933-64. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
MOYA, Álvaro de. História da História em Quadrinhos. 3ª edição. São Paulo, SP:
Brasiliense, 1994.
MOYA, Álvaro de. Shazam!. 3ª edição. São Paulo: Perspectiva, 1977.
OLIVEIRA, Gilberto Maringoli de. Angelo Agostini ou impressões de uma viagem da
Corte à Capital Federal (19864-1910). São Paulo, 2006. Tese (Doutorado em História
Social) – FFLCH, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006
PATATI, Carlos; BRAGA, Flávio. Almanaque dos quadrinhos: 100 anos de uma mídia
popular. Rio de Janeiro, RJ: Ediouro, 2006.
SEVCENKO, Nicolau. A capital irradiante: técnica, ritmos e ritos do Rio. In: _________
(org.). História da Vida Privada no Brasil. Volume 3. São Paulo: Companhia das Letras,
1998.
14SILVA, Marco Antonio da. Prazer e poder do Amigo da Onça, 1943-1962. Rio de Janeiro:
Paz e Terra, 1989.
SKIDMORE, Thomas E. Brasil: de Getúlio Vargas a Castelo Branco (1930-1964). 7ª
edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
TOTA, Antonio Pedro. O imperialismo sedutor: a americanização do Brasil na época da
Segunda Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
WIENSKOSKI, Paula. Carlos Estevão, cronista do traço - retratos críticos do cotidiano
familiar. Dissertação de mestrado. UFRJ, 2001.
WISNIK, G.; WISNIK, J. O artista e o tempo. In: CHEDIAK, Almir (org.). Songbook
Chico Buarque Vol. 2. 3ª edição. Rio de Janeiro: Lumiar, 1999.

Fonte:
http://www.ufrgs.br/alcar/encontros-nacionais-1/6o-encontro-2008-1/Uma%20breve%20introducao%20a%20historia%20das%20historias%20em%20quadrinhos%20no%20Brasil.pdf

No comments: