Monday, June 17, 2013

17 de junho de 2013 - 05:00

Nova lei levanta TV paga, mas faz roteirista trabalhar de graça

noname10 e1371242471983 Nova lei levanta TV paga, mas faz roteirista trabalhar de graça
Thiago Faelli e Andréa Midori Simão, que receberam propostas para trabalhar de graça (Foto: Divulgação)
Roterista por trás de programas consagrados e de alguns filmes, Andréa Midori Simão aposentou o telefone celular. Não aguentava mais o assédio de quatro produtores. Eles insistiam para que ela trabalhasse... de graça.
"Desliguei o telefone porque, nesse mercado, fica parecendo grosseria dizer 'não'", justifica ela, que assina produções de TV como Cocoricó e Pedro e Bianca, da Cultura, Águias da Cidade, do Discovery, e episódios de Alice, da HBO, além de filmes (Xingu) e do premiado curta-metragemTori.
Recentemente, Andréa foi procurada por uma grande produtora, em negociação com um canal internacional, distribuído por uma igualmente grande programadora. "Nos pediram para formatar um documentário de graça", conta.
O depoimento de Andréa revela um lado nada glamouroso da nova lei da TV por assinatura, a 12.485/11, que cria cotas de programas e canais brasileiros na TV paga.
Ajuda de custo
É verdade que, forçados pela lei, canais estrangeiros e brasileiros estão procurando produtoras independentes e encomendando séries e documentários. Por conta da nova lei, tem produtora até reclamando que está faltando mão-de-obra especializada, principalmente roteirista, diretores de fotografia e eletricistas.
Mas é verdade também que no Brasil, à exceção da TV aberta, ainda se dá muito pouco valor ao roteirista. A TV paga está copiando o modelo do cinema, no qual o diretor é o autor. As jornadas de trabalho são de 12 horas. E se paga muito mal. Há roteiristas ganhando de R$ 2.000 a R$ 4.000 por episódio de seriado.
fotopalhacopasseata Nova lei levanta TV paga, mas faz roteirista trabalhar de graça
Newton Cannito em protesto: crise de visão de mundo
Isso quando ganham. Como no cinema, muitos roteiristas têm sido convidados a desenvolver produtos "no risco". Os profissionais escrevem sinopses, perfis de personagens, todo o arco de uma temporada e até o roteiro do piloto sob a condição de só serem remunerados caso o projeto vingue.
"Muitas vezes, o prêmio para todo esse trabalho é receber os outros episódios para escrever, e a preços bem baixos, quase uma ajuda de custo", relata Thiago Faelli, sócio de Andréa Midori Simão na Depto Ficcional, empresa especializada em roteiros.
Exploração
A discussão sobre a exploração de roteiristas foi parar nas redes sociais. Diretora da AR (Associação dos Roteiristas) e professora da Faap, Ana Paul motivou comentários irados ao revelar, semana passada, no Facebook:
"Não faz nenhum sentido trabalhar de graça em projetos para cumprir a lei 12.485. Por mais que várias séries de TV sejam maravilhosas e geniais, melhores que muitos filmes por aí, ainda assim a TV é um negócio que só existe com o objetivo de ganhar dinheiro, movimentando milhões por ano. Caso você trabalhe de graça ou por valor simbólico, será muito ingênuo. Se você não ganha, há gente ganhando por você. Ainda que a produtora que você trabalha não ganhe, há gente ganhando por ela".
Crise de roteiro
Para Newton Cannito, presidente da AR e um dos colaboradores da próxima novela das seis da Globo, Joia Rara, o mercado está "aquecido" para roteiristas, por causa da lei 12.485. "Mas as produções são muito precárias, pagam pouco", pondera.
Cannito afirma que "há uma crise de roteiro, de visão de mundo", não de roteiristas. Isso porque as produtoras são pequenas e não têm dinheiro para investir no desenvolvimento de boas ideias. E a lei que criou cotas de programas nacionais na TV paga não prevê verba para isso.
A Ancine (Agência Nacional do Cinema) promete corrigir essa distorção. Trabalha atualmente em um pacote de medidas, chamado de Prodav, que inclui programas de desenvolvimento de roteiros.
Fonte:

No comments: