Wednesday, May 16, 2012

2º Encontro HQ

 | 


Programação | Palestra de Abertura e Mesas-Redondas

2º EncontroHQ | Programação | Palestra de Abertura e Mesas-Redondas
Grupos de Trabalho | Submissão de Trabalhos (Papers, Ensaios, Comunicações...) até 31 de Maio pelo email encontrohq@gmail.com

Palestra de Abertura

CULTURA VISUAL, HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E EDUCAÇÃO: DESAFIOS NA CONTEMPORANEIDADE
Prof. Dr.  Elydio dos Santos Neto
É Pós-Doutor pela Universidade Estadual Paulista, doutor em Educação (Supervisão e Currículo) e mestre em Ciências da Religião pela PUC-SP, licenciado em Filosofia e em Pedagogia (Administração Escolar) pela Faculdade Salesiana de Filosofia Ciências e Letras de Lorena. Prof. Adjunto do  Centro de Educação, Departamento de Habilitações Pedagógicas da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Mesas Redondas

MR1- A Construção do Humor Sob a Ótica da Pragmática

Serão discutidas as análise das estratégias de persuasão de um texto humorístico com finalidade educativa. Os dados para análise constituem-se de textos em quadrinhos referentes a signos do horóscopo e de falas da personagem Radical Chic, criados pelo cartunista Miguel Paiva e veiculados em material publicitário específico, elaborado para o I Festival Internacional do Humor em DST e AIDS. Pasquim número. O referencial teórico para embasar o estudo focaliza principalmente as noções de Grice (1975) sobre o Princípio da Cooperação e as Máximas Conversacionais, incluindo os conceitos de inferência e implicatura e Sperber e Wilson (1986), o que permite observar o modus operandi de construção de sentido humorístico, focalizando a estratégia de envolvimento e a relevância informacional do material analisado.

Coordenadora
Maria da Penha Pereira Lins,  Doutora em Linguística e Professora da UFES.

Debatedores
Lorena Santana Gonçalves (UFES), Mestre em Linguística e Professora Ens. Fundamental e Médio;

Monica L. Smiderle (UFES), Mestre em Linguística e Professora Ens. Fundamental e Médio.



MR2- Quadrinhos e Cultura: o social, o cultural e sua relação com as histórias em quadrinhos

As histórias em quadrinhos são produtos da sociedade moderna. A partir de um certo grau de desenvolvimento dessa sociedade, emergem diversas manifestações culturais e entre elas as histórias em quadrinhos. O vínculo entre as histórias em quadrinhos e a sociedade e a formação cultural correspondente a essa é perceptível. Isso pode ser visto tanto através de análises dos quadrinhos em geral, suas mutações que acompanham mudanças sociais, quanto em manifestações específicas, sendo que os personagens, situações, temas, entre outros aspectos, estão intimamente relacionados com a sociedade e a cultura de sua época. Assim, os quadrinhos são um produto social e histórico e por isso a sua compreensão mais profunda remete ao estudo da sociedade e da cultura. Desconsiderar isso produz um descritivismo ou tecnicismo que contribui relativamente pouco para a compreensão desta manifestação cultural específica, dificultando inclusive uma percepção mais profunda dos universos ficcionais constituídos nas histórias em quadrinhos. A mesa redonda irá abordar a relação entre quadrinhos e cultura (entendendo que essa é uma forma de manifestação do social) e para isso realizará não apenas uma discussão teórico-metodológica, mas análises de casos concretos que permitem não só pensar no processo analítico das histórias em quadrinhos em termos mais abstratos, como também analisar algumas manifestações concretas, permitindo, assim, tanto uma discussão teórico-metodológica quanto ensaios de uso de tais teorias e métodos. Desta forma, a proposta é realizar, por um lado, uma discussão teórico-metodológica sobre a relação sociedade, cultura e histórias em quadrinhos e, por outro, análises de manifestações concretas de tal relação.

Coordenador
Edmilson Marques, Doutorando em História (UFG); professor da Universidade Estadual de Goiás.

Debatedores
João Gabriel Fonseca MateusGraduando em História - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás;

Nildo VianaMestre e Doutor em Sociologia; Mestre em Filosofia, professor da Faculdade de Ciências Sociais/UFG.


MR3- Quadrinhos Poéticos (Fantásticos) Filosóficos

O intuito da mesa redonda é apresentar e discutir o gênero de quadrinhos, chamado de Poético-filosófico. Elydio dos Santos Neto realizou em 2011 o pós-doutoramento em Educação pesquisando justamente esse tipo de HQ. Nesse estudo, o autor define o gênero e analisa algumas obras dos principais autores que compõe este estilo diferenciado de quadrinhos. Além dos autores chave, Elydio dos Santos Neto entrevista e discorre ainda sobre a primeira revista e manifestação editorial (Tyli-Tyli/Mandala) voltada à esse tipo de HQ. Enquanto Edgar Franco e Gazy Andraus, são dois dos autores que deram base para o gênero poético (fantástico) filosófico no Brasil.

Coordenador
Matheus Moura Silva, Mestrando em Arte e Cultura Visual da Universidade Federal de Goiás

Debatedores
Elydio dos Santos Neto, Pós-Doutor pela Universidade Estadual Paulista (2010), Doutor em Educação (1998) e Mestre em Ciências da Religião (1994) pela PUC-SP, Graduado em Filosofia e Pedagogia pelas Faculdades Salesianas de Lorena (1982) e Professor do  Mestrado Profissional em Gestão em Organizações Aprendentes da Universidade Federal da Paraíba.

Edgar Francoartista multimídia, doutor em artes pela ECA/USP, pós-doutorando em Arte e Tecnociência pelo LART-Gama/UnB, bolsista PDJ CNPq e professor permanente do Programa de Pós-graduação em Arte e Cultura Visual da UFG.

Gazy Andraus, Coordenador e prof. do Curso de Pós-Graduação em Docência no Ensino Superior e criador da disciplina HQ e Zine no curso de Tecnólogo em Design Gráfico da FIG-UNIMESP - Centro Universitário Metropolitano de São Paulo, autor e pesquisador de HQ e fanzine. Membro do Observatório de HQ (ECA-USP); INTERESPE (PUC) e Grupo de Interculturalidade e Poéticas da Fronteira da UFU.


MR 4 – Gênero, Sexualidade e Quadrinhos

É um fato que o mundo quadrinístico ocidental é majoritariamente masculino, tanto na parcela de leitores quando de artistas. Essa questão intriga diversos pesquisadores, e há alguns apontamentos para o fato, como a instauração do Código de Ética dos Syndicates estadunidenses da década de 1950, na visão de Paul Gravett. De qualquer forma, essa visão masculina tem reforçado diversos clichês e situações particularmente absurdas dentro dos quadrinhos, reforçando os estereótipos das mulheres de papel, como um reflexo direto de uma visão sexista do mundo. Entendendo que vivemos em uma sociedade  onde as percepções e sensibilidades dos gêneros é bastante distinta, essa mesa se propõe a debater as HQs e seu universo através de um olhar feminino, discutindo diversos dilemas pelos quais não só as personagens mulheres passam, como também as mulheres quadrinistas em seu cotidiano de trabalho. Aquém, propõe a (re)pensar os quadrinhos sob novo enfoques e perspectivas, que possibilitem ampliar o horizonte desses debates, a partir de vivências práticas e problematizações teóricas sobre gênero, sexualidade, sexismo e feminismo.

Coordenador
Luciana Zamprogne, Mestranda em Ciências Sociais pela UFES

Debatedores
Maria Clara da Silva Ramos Carneiro, Mestrado em Literatura francesa, Doutoranda em Teoria da Literatura, tradutora de quadrinhos, assistente de editorial da editora Barba Negra e professora de francês da Aliança Francesa Rio de Janeiro.

Amaro Xavier Braga JúniorGraduado, Mestre e Doutorando em Sociologia (UFPE), Esp. Em Histórias das Artes e das Religiões (UFRPE), Esp. em Artes Visuais (SENAC), Esp. Em EAD (UCB). É professor do Instituto de Ciências Sociais da UFAL.


MR5 - QUADRINHOS AUTOBIOGRÁFICOS

Segundo Philippe Lejeune, em seu texto já clássico sobre a autobiografia, “As formas do pacto autobiográfico são muito diversas, mas todas elas manifestam a intenção de honrar sua assinatura. [...] Sabe-se muito bem o quanto cada um de nós preza seu próprio nome.” A escrita, mais particularmente a escrita literária, empreende a criação de um imaginário próprio. E, se escrever, segundo Barthes, significaria tentar salvar o que se ama, escrever sobre si mesmo, sobre mim mesmo, poderia representar, talvez, uma busca pela minha própria sobrevivência. Aquele “eu” que escrevo estaria “salvo”, eternizado em minha própria escrita. Nos quadrinhos, a prática da autobiografia ganhou força nos anos 1990, com a publicação de Maus (Art Spielgeman, 1986, ganhou em 1992 o Prêmio Pulitzer) e vem se destacando com uma grande profusão de publicações, trazendo um novo público leitor e produtor dos mesmos. Pretendemos discutir algumas obras recentes cuja veia autobiográfica traz o apelo de alguns sintomas: Fun Home de Alison Bechdel (2006) e La Parenthèse de Elodie Durand (2010), autobiografias de autoras mulheres e Cicatrizes de David Small (2009) e Ludologie de Ludovic Debeurme (2003). Discutiremos as categorias como identidade, autoria, autobiografia e a linguagem mesma dos quadrinhos sob o viés dos estudos literários, da semiótica e da psicanálise. Mais especificamente, discutiremos a “reconstrução da própria memória a partir da memória estética dos outros”, “desconstrução e processamento autoral da autobiografia” (Ciro Marcondes), “os efeitos de controle, de invisibilidade, advindos dos conflitos com esse corpo que está entre o limiar da cura, da clausura e da especulação, gerência da vida” (Ludimila Menezes) e “a escolha da linguagem – as histórias em quadrinhos –, que também coincide com a trajetória destes autores, sendo o único lugar possível em que eles poderão simbolizar (Maria Clara Carneiro).

Coordenadora
Maria Clara da Silva Ramos Carneiro, Mestrado em Literatura francesa, Doutoranda em Teoria da Literatura, tradutora de quadrinhos, assistente de editorial da editora Barba Negra e professora de francês da Aliança Francesa Rio de Janeiro.

Debatedores
Ludimila Moreira Menezesdoutoranda em literatura pela Universidade de Brasília

Ciro Inácio Marcondesmestre em Teoria Literária pela Universidade de Brasília. Atualmente é doutorando na linha Imagem e Som na Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília. É crítico de cinema e de histórias em quadrinhos;  É editor do site especializado em crítica de História em Quadrinhos Raiolaser.net.



MR 6 – JORNALISMO E QUADRINHOS

Coordenador
Amaro Xavier Braga JúniorGraduado, Mestre e Doutorando em Sociologia (UFPE), Esp. Em Histórias das Artes e das Religiões (UFRPE), Esp. em Artes Visuais (SENAC), Esp. Em EAD (UCB). É professor do Instituto de Ciências Sociais da UFAL.

Debatedores:
Lailson de Holanda CavalcantiFormado em Comunicação, chargista, Cartunista,  Quadrinista, Autor renomado com diversos livros publicados.Membro fundador da ACB- Associação dos Cartunistas do Brasil, da qual é o representante regional Nordeste, e um dos fundadores e primeiro presidente da ACAPE - Associação dos Cartunistas de Pernambuco, organização não governamental que dedica-se ao desenvolvimento do Humor Gráfico e dos Quadrinhos como forma de arte, expressão e educação. Criador e Curador do FIHPE, Festival Internacional de Humor e Quadrinhos de Pernambuco.

Ernesto de BarrosJornalista, Escreve semanalmente a coluna Zine sobre Quadrinhos no Jornal do Comercio (PE).

MR 7 - A ACADEMIA E OS ESTUDOS SOBRE QUADRINHOS E FANZINES

Coordenador
Henrique Paiva de MagalhãesGraduado em Comunicação Social pela UFPB, Mestre em Ciências da Comunicação pela USP e Doutor em Sociologia - Université Paris VII - Universite Denis Diderot. Professor Associado da UFPB. É editor da Marca de Fantasia, especializada em Quadrinhos.

Debatedores
Alberto PessoaÉ autor de histórias em quadrinhos, Doutor em Letras  pela Mackenzie, Mestre em Artes pela UNESP, Licenciado em Educação Artística pela FAAM. É professor da UFPB.

Marcelo Soaresmestrando em Comunicação (UFPB)

Alessandro Albuquerquemestrando em Comunicação (UFPB)



Grupos de Trabalho | Submissão de Trabalhos (Papers, Ensaios, Comunicações...) até 31 de Maio pelo email encontrohq@gmail.com

No comments: