Wednesday, December 14, 2011

LAERTE!

LAERTE! 

domingo, 16 de outubro de 2011

Resposta à VEJA - Os Quadrinhos nas avaliações do ENEM

por Caio Ferraro


A edição da revista Veja nº 2238 traz a seguinte matéria "A pedagogia do Garfield", de Jerônimo Teixeira (mestre em Teoria Literária). "A literatura está virtualmente ausente do ENEM. Para os técnicos do MEC, o gato dos quadrinhos é  mais relevante culturalmente do que Graciliano Ramos ou Castro Alves."  


A matéria versa sobre um estudo realizado por grupo da UFRGS com a intenção de avaliar o peso da Literatura nas provas do ENEM, desde sua criação. Segundo o estudo, o ROMANCE seria o 5ª gênero literário em número de ocorrência nas provas, atrás de Poesia, Histórias em Quadrinhos, Crítica e Crônica, nessa ordem. O texto, no entanto, foca na presença dos quadrinhos para depreciar o ENEM: 
"A começar pela valorização desmesurada das histórias em quadrinhos." 



Durante todo o texto ocorre a sistemática desvalorização dos quadrinhos enquanto gênero literário, seja por comparação (vide o excerto acima) ou para ilustrar críticas ao formato da prova. Vamos ajudá-lo a elaborar suas ideias com um senso crítico mais apurado do que a revista que o emprega permite?





LISTA DE LIVROS OBRIGATÓRIOS: de fato, o Exame Nacional do Ensino Médio não exige a leitura prévia de uma lista de livros, como os vestibulares tradicionais fazem. O princípio básico do exame é realizar uma avaliação reflexiva das competências e habilidades que o aluno domina. Nunca acreditei, ou aceitei, a "obrigação da leitura" na escola, tanto como educando, quanto como educador por relacionar a leitura a algo prazeroso, porém quem sou eu pra discutir com um mestre? Deixo a cargo  de Gonçalo Tavares em sua entrevista para a Carta na Escola:Leitura de puro prazer


Jim Davis - Garfield 

CONTEÚDOS AVALIADOS: a Matriz de Referência para o ENEM aponta os eixos cognitivos a serem avaliados, sem em nenhum momento tratar do acúmulo de conteúdos. O tempo da educação bancária já  se esgotou e pensar que isso significa que "Não precisa ler!" é menosprezar a aprendizagem que a leitura de um "clássico" pode nos trazer.  
I. Dominar linguagens (DL):
II. Compreender fenômenos (CF):
III. Enfrentar situações-problema (SP):
IV. Construir argumentação (CA):
V. Elaborar propostas (EP):



Quino - Mafalda

LITERATURA COMO ILUSTRAÇÃO: Um dos alvos da crítica de Jerônimo é que apenas metade das questões que tratam sobre gêneros literários é, de fato, sobre literatura, citando questões em que textos consagrados são utilizados como "pretexto" em abordagens de outras "disciplinas". O mundo não é compartimentado em disciplinas e a escola tenta abandonar essa visão conservadora com os "novos" Parâmetros Curriculares Nacionais, em voga (na teoria) há mais de uma década. Os PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais) do Ensino Médio dizem o seguinte: “A Disciplina (Língua Portuguesa) na LDB nº 5.692/71 vinha dicotimizada em Língua e Literatura (com ênfase na literatura brasileira). A divisão repercutiu na organização curricular: a separação entre gramática, estudos literários e redação. Os livros didáticos, em geral, e mesmo os vestibulares, reproduziram o modelo de divisão. Muitas escolas mantêm professores especialistas para cada tema e há até mesmo aulas específicas como se leitura/literatura, estudos gramaticais e produção de texto não tivessem relação entre si.”  


Quino - Mafalda


Concordo com a valorização da literatura nacional e concordo que os autores citados são essenciais para uma melhor compreensão histórica, (O que, a propósito, o colega de Jerônimo Teixeira na revista Veja é contra, já que julga ser depreciativo o fato de estudarmos Lima Barreto e  Adolfo Caminha, enquanto outros países estudam Shakespeare e Dante, sendo esse um dos sinais da péssima qualidade de ensino de nossas escolas particulares:  Gustavo Ioschpe - Você acha que as escolas particulares brasileiras são boas?).  A única alternativa apresentada no texto é a retomada de uma perspectiva dicotômica dentro das linguagens e culturas. 

Minha singela opinião é que o ENEM está longe de representar o sistema de avaliação perfeito, mas críticas ao mesmo devem ser amparadas em argumentos e propostas mais profundos, sem utilizar o subterfúgio da marginalização das Histórias em Quadrinhos em contraponto ao Romance. 

Lanço um desafio a Jerônimo Teixeira: Analise os quadrinhos que "ilustram" essa publicação considerando seu caráter histórico, a perspectiva dos autores e o estilo gráfico. Será que ele consegue?

Leia a Carta Aberta a Veja de Paulo Ramos no blog dos quadrinhos. A crítica por outro viés.

Agradecimento ao amigo Bruno Mori por seu auxílio em relação ao link da reportagem da Veja.


"Ao Professor cabe o papel essencial de representar o elo entre o popular e o erudito." 
Profª. Drª. Petronilha Beatriz Gonçalves

Fonte:

No comments: