Wednesday, September 21, 2011


Quadrinista Rafael Sica



10/03/2011
 às 17:37 \ Quadrinhos

Cotidiano inspira romances gráficos recém-lançados


Em 'Ordinário', Rafael Sica explora o insólito do cotidiano. Clique para ampliar
Como ocorre em boa parte das melhores graphic novels – os romances gráficos, histórias em quadrinhos com tonalidade literária – o cotidiano, em vez de mundos fantasiosos ou extraordinários, é materia-prima para dois belos lançamentos: 676 Aparições de Killoffer (Leya Cult) e Ordinário (Quadrinhos na Cia.), o primeiro do francês Patrice Killoffer, o segundo do gaúcho Rafael Sica.
Caos – Na história de Killofer, o protagonista passa uma temporada no Canadá, de onde lembra da pilha de pratos deixada suja na pia de seu apartamento, em Paris. A lembrança dá início a uma torrente de solilóquios sobre a vida adulta, com reflexões sobre as responsabilidades profissionais e a dificuldade no relacionamento com as mulheres.
A partir de desenhos dispostos fora da seqüência tradicional das HQs, mendigos, bêbados e garçons, além das já citadas mulheres, se cruzam pela diagonal ou em quadros dispostos de cima para baixo, compondo o cenário de uma cidade labiríntica. Traços e textos se somam e atropelam num discurso loquaz. Há muito de literatura beatnik na obra de Kiloffer, que em 1990, sem ter onde publicar os seus quadrinhos, fundou uma pequena editora na França e hoje é considerado um dos principais nomes das HQs francesas.
Silêncio – Em Ordinário, de Rafael Sica, dá-se o oposto. Sem nenhuma palavra e com força de concisão incrível, o quadrinista gaúcho organiza um enredo sobre tristeza e solidão numa metrópole sem nome, permeado por um tipo de humor – a ironia melancólica e auto-depreciativa – que o aproxima do argentino Liniers, de Macanudo.
Há o personagem abatido em pleno ar quando salta para um vôo livre e surrealista; outro que a todos destrata com grunhidos caninos e que chora sozinho como um filhote em casa à noite. Há também telhados, ruas e bueiros da cidade vistos como partes vivas e em interação com as pessoas.
Esmerado em síntese, Sica consegue criar narrativas tão complexas quanto pequenos contos em sequências curtas de dois a cinco quadros, onde se reconhecem tipos literários como o louco, o deprimido e o carente. São elementos de força expressiva condensados em tirinhas que, apesar de diversas das de Kiloffer, guardam em comum com elas o olhar aguçado sobre o cotidiano.
Histórico – A demanda por quadrinhos literário, iniciada muito antes na Europa e nos Estados Unidos, surgiu no Brasil nos anos 80, mas apenas nos últimos anos atingiu números respeitáveis de publicação e venda.

'676 Aparições de Killoffer': Brasil recebe título badalado no exterior. Clique para ampliar
Em 2010, os dois volumes da série Scott Pilgrim Contra o Mundo (Quadrinhos na Cia.), que foi adaptada para o cinema, venderam 20.000 exemplares em aproximadamente seis meses. Para efeito de comparação, livros de escritores laureados com importantes prêmios literários não raro são lançados no mercado em tiragens de 5.000 cópias, esgotadas apenas ao fim de anos de exaustiva exposição nas lojas. Em termos numéricos, pode-se ver, os quadrinistas já não devem nada aos escritores. Em termos de qualidade, também, uma vez que a produção nacional, incentivada pelo interesse cada vez maior das editoras e acompanhada da importação de obras de valor reconhecido, ganha solidez.
Foi-se o tempo, como aconteceu a Killoffer, em que os quadrinistas precisavam criar as suas próprias casas editoriais para publicar as obras. Os romances gráficos viraram mainstream.

Fonte:

No comments: