Monday, July 4, 2011

Fábio Yabu sugere 5 livros de aventuras para ler nas férias


por: Equipe do Educar para Crescer
Fábio Yabu é o criador das "Princesas do Mar", série de livros que virou desenho animado Foto: Marcelo Naddeo

Reportagem por Tatiana Bandeira*

A atual aventura no dia a dia do escritor e ilustrador Fábio Yabu, 31 anos, é cuidar da filhota Luna, de cinco meses. Atualmente, o criador da série em quadrinhos “Combo Rangers”, das “Princesas do Mar”, livros que viraram desenhos animados em 2007 e foram veiculados em mais de 50 países, troca fraldas e faz coisas mil de pai. Mas, enquanto isso, tem em mente sua origem. Fábio, que passou a infância em Santos (SP), tem a literatura na veia (ou na ponta do lápis). “Leio desde sempre, de literatura a HQs.”
Tanta leitura, estimulada pela clássica série Vaga-lume, e muito incentivo dos pais, que são professores de matemática, não podia acabar de outra forma: Fábio começou a desenhar antes mesmo de ser alfabetizado. Daí a escrever e ilustrar foi um passo. Os pais carregavam livros para casa e, nas férias, não era diferente. Acompanhado da irmã mais velha, Erica, 32, e do caçula Leonardo, 28, visitava a avó, no interior paulista: levavam livros, mas não satisfeitos, paravam em um posto de gasolina para comprar mais publicações “pra viagem”.  “Tinha uma banca gigante na rododia. Fazíamos a festa com revistas e livros”, diz.
Inquieto, o inventor das aventuras do trio Polvina, Tubarina e Estér dedica-se a criar peripécias em novos livros, como “A Última Princesa”, que será lançado em 2012. A obra é em prosa, dedicada a leitores a partir dos 12 anos, e conta a história de uma menina que tem uma vida perfeita – daquelas que toda garota sonha –, mas nem por isso vive satisfeita.
Veja os livros infanto-juvenis que estão no top da lista de Fábio. São obras que o marcaram e emocionaram entre a infância e a adolescência, fases cheias de novidades, quando uma aventura, duas aventuras, três aventuras assim, são sempre bem-vindas. São para ler nas férias. E depois delas também.
1. O Gênio do Crime, de João Carlos Marinho
“É um clássico que atravessa gerações e já vendeu mais de 1 milhão de exemplares. É uma aventura policial protagonizada pela inesquecível Turma do Gordo, que tenta desvendar o mistério de uma figurinha rara – e acaba descobrindo uma fábrica clandestina, comandada por um gênio do crime. Considero esse livro o “Goonies brasileiro”, pela sua ação, aventura e pelo carinho que toda uma geração tem por ele.”


2. O Mistério do Cinco Estrelas, de Marcos Rey
“Hoje em dia, encontramos em todos os lugares histórias que se passam em Nova York, Los Angeles ou mesmo cidades imaginárias como Metrópolis. Mas as aventuras de Léo, seu primo Gino e Ângela se passam em São Paulo, grande paixão do escritor, em especial, o bairro do Bexiga. Além disso, os heróis não contam com poderes nem instrumentos especiais, apenas com sua astúcia e coragem para desvendar crimes como assassinatos e sequestros.”


3. Píppi Meialonga, de Astrid Lindgren
“Píppi-Meialonga é uma órfã aventureira, com braços capazes de erguer um tubarão, que enfrenta perigosos bandidos e conquista a todos por onde passa. Tem um macaco e um cavalo de estimação, é filha do Rei dos Canibais – que um dia vai voltar para levá-la para sua ilha. As aventuras de Píppi são tão imprevisíveis quanto bem-humoradas.”



4. Ponte para Terabítia, de Katherine Paterson
“É difícil falar desse livro sem entregar parte de sua trama mágica e surpreendente. A história encanta crianças e leva adultos às lágrimas. Conheci essa obra depois de ‘grande’, e li antes de assistir ao filme lançado em 2007. Mas posso dizer seguramente que, por mais caprichado que seja o filme, ele não se compara às emocionantes páginas finais do livro e o fascinante caminho até elas. A tradução brasileira é de Ana Maria Machado.”

5. A Casa da Madrinha, de Lygia Bojunga Nunes
“Poucos são os escritores com a coragem de tratar a imaginação infantil como Lygia Bojunga Nunes. Seus personagens imaginam – e ‘desemaginam’ coisas – ao longo das histórias, que dão vida até a objetos aparentemente insossos como um carretel ou um pavão, tornando-os parte da vida de seus leitores. A ‘Casa da Madrinha’ é um livro ousado, que trata a infância de maneira realista e talvez até cruel para algumas pessoas. A narrativa também é permeada por muita fantasia e humor e severas críticas sociais, que fazem adultos e crianças fecharem o livro com algo a mais em suas vidas.

*Tatiana Bandeira, jornalista e filha de professora/bibliotecária. Com a mãe e a irmã, aprendeu as primeiras letras, com a ajuda de dicionários “ricamente” ilustrados. Segue aprendendo outros bê-a-bás e não abre mão de dicionários.

fonte:

No comments: