Sunday, July 3, 2011

Entrevista com o editor-sênior da DC

O homem que tem o Universo DC nas mãos

Em passagem por São Paulo, Eddie Berganza, editor-sênior da DC, concedeu uma entrevista exclusiva ao Universo HQ e falou sobre artistas brasileiros, a Crise Final e muito mais

Por Eduardo Nasi

Eddie Berganza"Ele é gente boa" foi a frase mais escutada na tarde do dia 16 de outubro, na recepção do sobrado de Higienópolis que abriga a Quanta Academia de Artes, em São Paulo. E a segunda foi "Você não pode se importar com crítica, porque ele diz tudo na sua cara".

Quem provocou os comentários foi Eddie Berganza, editor sênior da DC Comics, em passagem pelo Brasil para uma série de eventos em São Paulo e Belo Horizonte, onde acontece o 5º FIQ - Festival Internacional de Quadrinhos.

Berganza passou a tarde quente e abafada avaliando pastas de desenhistas brasileiros numa área ao ar livre nos fundos da escola. E havia bastante gente com portfólio debaixo do braço. Afinal, o editor é "peixe grande" justamente no cobiçado mercado norte-americano: depois de anos como o responsável pelos títulos de Superman, cuidou de Crise Infinita e assumiu revistas como Íon, Lanterna Verde, Novos Titãs e a elogiadíssima Liga da Justiça de Brad Meltzer.

Eddie Berganza e Marcelo CamposÉ prato cheio para brasileiros a fim de seguir a trilha de artistas como Ivan Reis, Ed Benes e Marcelo Campos, que já trabalharam com o editor. Apesar de aparentar cansaço, ele fazia comentários contundentes sobre os trabalhos vistos. Mas disse gostar do que estava vendo.

Foi num intervalo entre as avaliações que Berganza falou com o Universo HQ sobre seus novos títulos na DC, Crise Final, a relação com criadores internacionais,download ilegal de quadrinhos, brasileiras gostosas e Lost.

Universo HQ: Bem, a primeira pergunta é inevitável. É sobre...

Eddie Berganza: A Crise Final?

UHQ: É.

Berganza: Hm, isso vai ser uma resposta longa. (risos)

UHQ: Bem, é bem provável que você não vai nos adiantar nada, mas não custa tentar.

Berganza: Grant Morrison é o escritor, J.G. Jones é o artista e a série é muito legal.

UHQ: Aqui no Brasil estamos acabando de ler Sete Soldados da Vitória no mês que vem. A minissérie é realmente tão conectada com a Crise Final quanto parece?

Berganza: Sim, eu contaria isso pra todo mundo. É isso.

UHQ: E o Homem-Animal do Grant Morrison, que já tinha uma relação comCrise nas Infinitas Terras?

Berganza: É uma série muito boa, mas eu apostaria mais em Sete Soldados.

Joe Prado (de amarelo), Eddie Berganza e Renato Guedes (sentado e de camisa preta)UHQ: Tem sido um excelente momento para se acompanhar os títulos da DC. O que mudou na editora?

Berganza: É verdade. Tem coisas grandes acontecendo. E está tudo coordenado. Cada história adiciona um fato novo e torna o Universo DC maior. É uma coisa que estamos fazendo bem desdeCrise Infinita, quando a Guerra Rann-Thanagar, o Pacto das Sombras, tudo fazia parte de um plano maior. E isso vai até a Crise Final, passando por Countdown e por uma série que estou coordenando diretamente, Sinestro Corps.

E isso vai ser grandioso. Eu a chamo de "
O Império Contra-Ataca por Geoff Johns". E então há um O Retorno de Jedi que será realmente bom!

UHQ: Essa fase que está saindo no Brasil é justamente a que marca a sua saída de Superman e o começo do trabalho em novos títulos. Tem algo em especial de que se orgulhe?

Berganza: Definitivamente, a Liga da Justiça. O Tornado Vermelho é um personagem fantástico. Se você nunca deu bola para ele, vai rever seus conceitos. Meltzer faz coisas incríveis com os heróis menores, como Vixen.

Eddie Berganza avalia portfóliosUHQ: E tem algo de que você se arrepende?

Berganza: Não, não tem. Novos Titãs também entra em uma fase boa, a equipe sai renovada... Vocês têm Titãs aqui?

UHQ: Sim, agora há duas novas revistas dedicadas à DC e lemos praticamente tudo que vocês publicam. Possivelmente, temos quase todos os seus títulos nas bancas.

Berganza: Então, os leitores vão perceber queTitãs também está completamente ligado àCrise. O grande lance é que o grupo muda, sai em busca de algumas coisas. Até Íon é interessante, porque foi onde comecei. Eu era editor-assistente quando o Kyle surgiu e é natural, para mim, ter editado o título.

E agora estou com
Lanterna Verde, porque o editor que cuidava da revista saiu. Eu queria muito esse título, muito mesmo, então insisti.

UHQ: É uma fase em que os Lanternas Verdes estão recuperando a importância que já tiveram.

Berganza: É, eles estão grandes agora. Se bem que sempre estiveram por perto. Pode conferir: todo grande evento da DC tem um Lanterna Verde envolvido. Tivemos a Noite Final, em que Hal Jordan reacende o Sol, depois Kyle Rayner estava na Zero Hora... Sempre tem um Lanterna Verde.

Eddie Berganza avalia mais portfólios...UHQ: Você tem trabalhado com artistas brasileiros e do mundo inteiro. Como isso aconteceu?

Berganza: Foi a internet. Dá uma tranqüilidade imensa não ter que esperar por um pacote amarelo que chega pelo correio de um país estrangeiro. E, por outro lado, qualquer um pode nos encontrar.

O que é excelente para mim é que posso trabalhar com artistas que, no passado, não teria como. (Berganza aponta para Joe Prado, que estava ao lado) Veja o Joe: se preciso de um artista, digo o perfil para ele e logo recebo as amostras. Não tem nenhum pacote envolvido. É muito fácil. (Nota do UHQ: Prado trabalha para o Art & Comics, que licencia artistas brasileiros no exterior)

E há outros artistas de quem corro atrás para trabalhar, que é caso do Ed Benes, que acompanho desde
WildCats.

UHQ: E você chega a ler quadrinhos feitos em outros lugares do mundo em busca de artistas?

Berganza: Bem, depende. Eu só leio espanhol, que é a única outra língua que sei.

UHQ: Nem material que é traduzido para o inglês?

Berganza: Até há alguns, mas não tanto quanto se pensa. E esses eu leio para ver se encontro algo diferente. Mas é difícil acompanhar tudo. Por isso, é bom fazer viagens como esta. É assim que tenho tempo de olhar trabalhos de artistas e até mesmo álbuns.

UHQ: Que diferenças você vê entre os artistas internacionais e norte-americanos?

Berganza: Muitas, com certeza. Os mexicanos, por exemplo, têm um estilo mais próximo do cartum, do desenho animado. Os espanhóis são sombrios. Até o Brasil tem um estilo, mesmo que vá de um Ed Benes a um Ivan Reis.

Bate-papo com os visitantesUHQ: Há uma lenda local de que brasileiros desenham mulheres mais gostosas...

Berganza: He, he. Mas isso é fácil pra vocês! É só olhar pra rua. Esse... hmmm... traseiro das mulheres do Ed Benes estão por todo lugar. É sensacional.

UHQ: Por aqui, o downloadilegal de quadrinhos já é bem grande, até por causa do atraso de um ano em relação à publicação norte-americana. Como você tem visto isso nos Estados Unidos?

Berganza: A experiência de vocês aqui é parecida com a que temos com encadernados. E, ao mesmo tempo, é o oposto, porque lá as pessoas esperam para comprar as histórias nos encadernados.

Mas o ponto é que mais do que nunca precisamos fazer boas histórias, porque essas vão ser lidas sempre.


UHQ: Para fazer um filme em Hollywood se faz muita pesquisa para entender o público e as necessidades. Nos quadrinhos isso existe?

Berganza: Não tem quase nenhuma, porque não dá tempo. É pouco eficiente, até porque não há como mudar. O que precisamos é de boas histórias, porque são elas que ultrapassam limites demográficos e tal.

E mais avaliações de portfólioConfiamos nos nossos criadores, gente como Grant Morrison. Quando você tem uma boa história, ela te pega de qualquer jeito. É por essa liberdade que tantos autores de TV têm vindo para os quadrinhos.


UHQ: Você trabalhou naquela edição do Lanterna Verde que foi citada no começo de Lost. Por acaso ficou sabendo qual o mistério por trás daquela aparição?

Berganza: Tudo que sei é o que todo mundo sabe: na revista e no episódio aparecem um urso polar.

Eduardo Nasi é um grande fã dos quadrinhos da DC Comics. Pena que Berganza não teve tempo de ouvir as teorias dele para a Crise Final. Talvez fosse a chance de um brasileiro salvar o universo de Superman, Batman e companhia...

Fonte:

http://www.universohq.com/quadrinhos/2007/entrevista_berganza.cfm

No comments: