Sunday, July 10, 2011

Como o cinema pode destruir uma anti-heroína das HQs


Mulher-Gato é mais um caso clássico de apropriação indébita 




É por causa de filmes como Mulher-Gato que ainda há muita gente que considera personagens de quadrinhos tolos e destinados exclusivamente ao público infantil. Para gostar deste exemplo miserável de como o cinema pode destruir uma anti-heroína das HQs, é realmente necessário ser desprovido de qualquer tipo de bom gosto e bom senso. O filme da criatura de origem francesa conhecida como Pitof, desonestamente, prática corriqueira no cinema de hoje, se vende como "baseado nos personagens criados por Bob Kane", mas desfigura completamente sua fonte de inspiração. 

Para dar conta de seu atentado, Pitof precisava de alguém que embarcasse na tragédia anunciada que havia desenhado. E conseguiu. Halle Berry, que já tinha desperdiçado a Tempestade dos X-Men em duas interpretações insípidas (quando não ruins), assumiu a máscara e os trejeitos da personagem cujo grande rival é uma megacorporação da indústria de cosméticos. A sinuosa atriz, capaz de radicais mudanças físicas para viver a protagonista (ela corta e pinta o cabelo), empresta sua conhecida falta de habilidade para uma visão deturpada da anti-heroína criada por Kane. 

Sai Selina Kyle, que já havia ganho um bela transposição para o celulóide com Michelle Pfeiffer, e entra Patience Philips, a moça desajeitada que ganha autoconfiança e um gingado próprio depois de ser ressucitada por um gato egípcio milenar. Realmente, um caso exemplar de diretor e time de roteiristas inspirados, que ainda juram que fazem uma fábula feminista moderna. Como o tom do filme é a farsa, Pitof incentiva Halle Berry a rosnar e rebolar bastante para ressaltar a porção felina da protagonista. Tudo isso no mais revolucionário uniforme de superser que já apareceu nas telas. Um trabalho tão dedicado e complexo que só pode ter surgido de alguém nascido na mesma galáxia distante que trouxe para nossa dimensão a brilhante idéia de realizar este filme. 

MULHER-GATO  
Catwoman, EUA, 2004. 
Direção Pitof. 
Roteiro: John Rogers, Michael Ferris e John D. Brancatto, a partir da história criada por Ferris, Brancatto e Theresa Rebeck, deturpando personagens criados por Bib Kane. 
Elenco: Halle Berry, Sharon Stone, Lambert Wilson, Benjamin Bratt, Frances Conroy, Alex Borstein, Michael Massee, Byron Mann, Kim Smith, Christopher Heyerdahl, Peter Wingfield. 
Fotografia: Thierry Arbogast. Montagem: Sylvie Landra. Direção de Arte: Bill Brzeski. Música: Klaus Badelt. Figurinos: Angus Strathie. Produção: Denise Di Novi e Edward McDonnell. Site Oficial: www.catwoman.warnerbros.com. 


Fonte:
http://filmesdochico.blogspot.com/2004_09_01_archive.html

No comments: