Tuesday, August 24, 2010

Epopeia de Gilgamesh


1 - Gilgamesh
Os homens e mulheres da
cidade de Uruk, na antiga
Mesopotâmia, local banhado
por dois rios caudalosos que
diminuíam a fértil e formosa
terra onde se encontrava o
Paraíso Terrestre, admiravam
o seu jovem rei Gilgamesh;
mas também temiam, pois,
em ocasiões, governava com
soberba e arrogância. Passava
o tempo e os cidadãos de
Uruk estavam cada dia mais
tristes porque notavam que
Gilgamesh, o rei de formas
perfeitas - já que possuía três
partes de deus e uma de
humano1 - ditava continuamente leis e sentenças injustas, distantes da misericórdia e da
compaixão exigidas a um governante para com seus súditos.
Era tanta a crueldade de Gilgamesh que os deuses escutaram as súplicas dos homens e das
mulheres de Uruk e se retiraram a suas sagradas moradas para meditar... Em silêncio, os deuses
refletiram e maquinaram dia e noite...
Até que, por fim, decidiram que Aruru2, a deusa-mãe que tinha criado Gilgamesh, encontrara
também a forma de ajudar os humanos.
Assim, pois, Aruru pôs mãos à obra e, tal qual sábio e aplicado oleiro, preparou a lama e
modelou uma figura humana. Logo, sem desperdiçar nem um momento, a criativa deusa soprou
a argila e no mesmo instante a figura que acabara de criar tomou vida e movimento.
Aruru, satisfeita com sua obra, retirou-se para descansar; mas antes impôs suas divinas mãos
sobre a cabeça, coberta de encaracolados e longos cabelos, daquele novo homem que tinha a sua
frente e com voz de trovão, lhe falou: “Te chamarás Enkidu... Serás um grande guerreiro e um
herói de valor... e enfrentarás o jovem rei Gilgamesh para obrigá-lo a tratar o seu povo com
respeito”.
1 Gilgamesh era filho da deusa Ninsu, uma deusa obscura dentro do panteão mesopotâmico. Sabe-se que tal deusa
possuía um templo-palácio na cidade de Uruk. Era esposa do deus-rei Lugulbanda, sendo conhecida também por sua
sabedoria, passando, assim, por conselheira de Gilgamesh.
2 Deusa babilônica da criação. Moldou Enkidu a imagem de Anu, o rei dos deuses.
A EPOPÉIA DE
GILGAMESH
2 - Os Gritos do Caçador
Passou o tempo e certo dia um caçador em vigília junto às águas do lago, na clareira de um bosque,
para espreitar as gazelas que ali acudiam a beber, avistou Enkidu. Num primeiro instante, ao ver sua
vestimenta o tomou por um pastor3. Mas com o tempo, ao observar que aquele forasteiro protegia
os animais, tirava as armadilhas e os impediam de serem enganados, o caçador constatou que não se
tratava de um simples pastor. Cada vez que o caçador se aproximava do lago encontrava suas
margens ocupadas pelo rebanho do estranho pastor, de maneira que resultava impossível abater
alguma presa.
O caçador retornou a sua casa de mãos vazias e quando seu pai lhe perguntou o motivo porque não
tinha conseguido nenhuma caça, este lhe respondeu que tinha sido impedido por um homem de
aspecto robusto que pastoreava seus rebanhos no monte e que não se afastava da ribeira do lago. E
complementou: “Mesmo levando samarra4 como os pastores, seus fortes e musculosos braços
denotavam ser ele um cavaleiro, ou um guerreiro, a serviço dos deuses”.
Então, o pai do caçador ordenou a seu filho que fosse até o palácio real e gritasse com todas as suas
forças pedindo ajuda a Gilgamesh, para que este ficasse sabendo da presença de um guerreiro
valente nas suas terras. Assim fez o caçador e seus gritos de advertência se escutaram em toda a
cidade de Uruk.
3 - O Abraço de Enkidu e Gilgamesh
Depois de seis dias e sete noites de prazer junto a uma jovem cortesã5 que, por conselho de
Gilgamesh, o caçador pôs em seu caminho para debilitá-lo e minar suas forças, Enkidu partiu
para o palácio de Gilgamesh. Enkidu abandonou os bosques e, guiado pela sua formosa
companheira, transpassou a muralha da cidade de Uruk e desafiou Gilgamesh.
Os dois heróis lutaram na praça, na frente do povo. Ambos eram
jovens e fortes, valentes e atrevidos. Enrolaram-se pelo chão,
destruindo na luta as grandes portas da cidade. As lascas saltavam
pelos ares até que, após uma longa peleja, a ira dos dois contendores
se aplacou. Parou a violência e o amor se apossou de seus corações,
a amizade se apoderou da vontade de ambos. Se fizeram amigos e
se abraçaram. Todo o povo celebrou o abraço de Enkidu e
Gilgamesh... E houve festas e convivas na cidade de Uruk.
4 - O Bosque dos Cedros
3 Alguns mitos descrevem Enkidu da seguinte maneira: “corpo coberto de pelos, cabeleira de mulher”, “ignora a
civilidade”, “é um bruto”.
4 Samarra é uma espécie de toga, que vai até os tornozelos, e era usada pelos povos antigos.
5 Na realidade, era uma “hierodula”, cortesã sagrada do Templo de Ishtar. Que, segundo alguns mitos, acaba por
‘civilizar’ o ‘selvagem’ Enkidu.
Mas, os amigos deixaram para trás o bulício e o regozijo do povo e saíram para cumprir uma
perigosa missão. Se dirigiram para o Bosque dos Cedros para matar o temível monstro
Humbaba, uma espantosa criatura que cuspia fogo pela boca e tinha atemorizados todos os
habitantes da comarca.
Gilgamesh e Enkidu entraram sem temor no interior do bosque e chegaram até a obscura
gruta do dragão. Então, lutaram com bravura e cortaram a cabeça da fera... E foram
recepcionados pelos habitantes das aldeias que rodeiam o bosque, porém Gilgamesh e Enkidu
seguem seu caminho.
5 - Lágrimas de Dor
Depois de viverem juntos muitas aventuras sentem saudades de suas terras e seus bosques e da
cidade amuralhada de Uruk, e decidem regressar para os seus. Durante suas ausências o povo
tinha sabido das façanhas e da fama de Gilgamesh e Enkidu e os recebem como heróis.
Isthar, a deusa do amor6, deseja que Gilgamesh
seja seu amante e que se case com ela, mas o
valioso e bonito guerreiro a recusa. A despeitada
deusa pede ajuda a seu pai, o deus Anu7, dono e
senhor de todos os mundos e lhe instiga para
que envie o Touro do Céu contra a cidade de
Uruk. Enkidu e Gilgamesh lutam com o Touro do
Céu e o matam. Mas, os deuses se vingam e
fazem com que Enkidu contraia uma grave
enfermidade e morra. Gilgamesh verte lágrimas
de dor diante do cadáver do seu amigo Enkidu e
com grande pesar e desconsolo pela perda de seu
querido companheiro abandona Uruk e
empreende um longo caminho.
6 - O Enigma da Morte
Depois de andar léguas e léguas, Gilgamesh chega ao pé de altas montanhas, cujos cumes
gêmeos voltam-se para o primeiro e para o último dos extremos do mundo: o nascente e o
poente. Gilgamesh sobe até os altos picos e, uma vez lá em cima, olha o imenso céu e se
pergunta pelo enigma da morte... Mas ninguém responde.
6 Na Mitologia Suméria. Na Babilônica ela é conhecida como Inana. Ishtar, às vezes, é identificada como consorte de
Anu, e não como sua filha. Figura, mostra a deusa e os famosos leões babilônicos.
7 Deus sumério e babilônico do firmamento. Rei e pai dos deuses.
Então, decide descer ao mundo das sombras e roga aos guardiões, às gigantescas e horríveis
criaturas, metade escorpião metade homem, que abram as portas da montanha e lhe deixem
passar. O valente Gilgamesh caminha sem descanso pelo interior dos infernos na mais
completa obscuridade até chegar à morada dos deuses, ao jardim de luz. Aqui também não
encontra a resposta ao enigma da morte, mas os deuses lhe anunciam que resolverá o mistério
se cruzar até a outra margem do extenso oceano.
O barqueiro dos deuses conduz Gilgamesh pelos mares e oceanos do mundo até chegar às
pestilentas águas da morte e após atravessá-las, o herói chega num lugar onde se encontra o
único homem sobrevivente do dilúvio8, quem lhe instrui a respeito da vida e da morte: “Não
deveis temer a morte, pois, como o sonho, está dentro de nós e a todos alcança; mas, podeis
conseguir a imortalidade ou a eterna juventude, se arrancares a planta espinhosa e florida,
semelhante a um roseiral, que cresce entre o lodo das águas profundas que banham o mundo
das sombras”.9
Assim fez Gilgamesh e de regresso à Uruk,
levando consigo a preciosa planta florida
da eterna juventude, parou no caminho
para beber água num manancial e refrescar
todo seu corpo. Mas, de pronto, uma
serpente cheirou o perfume que exalava da
planta e a tragou; depois se arrastou até as
cavidades das rochas e se enfiou num
fundo e obscuro buraco que desembocava
no reino das trevas. Quando Gilgamesh
saiu das águas e viu as sinuosas pegadas do
réptil na areia compreendeu, no instante,
que a serpente maligna tinha lhe roubado a
planta florida da eterna juventude...10
... E Gilgamesh chorou ...11
7- Índice das Imagens
01 – Gilgamesh em seu carro de batalha
02 – Humbaba
03 – Gilgamesh, Enkidu e o Touro Celeste
04 – Gilgamesh e um leão.
8 Na Mitologia Mesopotâmica esse homem imortal era Umnapisti ou Utnapishtim, que significa ‘Dia de Vida’. Era um
rei e sacerdote, protegido pelo deus Ea, o deus das águas doces.
9 No mito, Gilgamesh vai atrás da imortalidade e não da juventude eterna, provavelmente foi mais uma transliteração do
autor, usando ambas como sinônimos.
10 Na lenda, esta é a razão das cobras e serpentes mudarem de pele.
11 Em outras versões, o poema acaba com o reencontro, no Mundo Inferior, de Gilgamesh e Enkidu, uma vez que o
herói obtém de Nergal, senhor desse reino, a chance de por alguns momentos conversar novamente com seu grande
amigo.

Fonte:
http://filosofianreapucarana.pbworks.com/f/A+Epop%C3%A9ia+de+Gilgamesh+.pdf

No comments: